Ações da Vale nos EUA caem 10% após rompimento de barragem

No início da tarde, uma das barragens da Vale, na Mina Feijão, próxima ao Córrego do Feijão, rompeu-se na cidade de Brumadinho, região metropolitana de Belo Horizonte.

Os reflexos da tragédia em Brumadinho, Minas Gerais, refletiram imediatamente nas ações da Mineradora Vale negociadas pela Bolsa de Valores de Nova York, que haviam iniciado o dia com leve alta, passaram a despencar logo após a divulgação do rompimento da barragem da companhia. Por volta das 15h15, as ações da multinacional brasileira eram vendidas a US$ 13,35, com recuo de 10,16% em relação ao fechamento da última quinta-feira(24), e em outras pelo mundo. Por causa do feriado de aniversário da capital paulista, as ações da Vale não estão sendo negociadas na B3. A Bovespa deverá sentir os efeitos a partir desta segunda-feira, 28.

Na B3, os papéis da mineradora acumulavam alta de 10,1% desde o início do ano até ontem (24). Na bolsa de Nova York, os papéis tinham subido 12,7% no mesmo período.

No início da tarde, uma das barragens da Vale, na Mina Feijão, próxima ao Córrego do Feijão, rompeu-se na cidade de Brumadinho, região metropolitana de Belo Horizonte.

A Vale do Rio Doce, empresa responsável pela barragem, divulgou nota informando que “as primeiras informações indicam que os rejeitos atingiram a área administrativa da companhia e parte da comunidade da Vila Ferteco. Ainda não há confirmação se há feridos no local. A Vale acionou o Corpo de Bombeiros e ativou o seu Plano de Atendimento a Emergências para Barragens”.