Casarão Tech completa um ano com projetos inovadores

O casarão histórico, que funciona como incubadora, já produziu mais de 200 eventos, entre seminários e oficinas, e recebeu mais de 10 mil visitantes desde que nasceu em janeiro de 2018

NATÁLIA MADEIRA

Um casarão secular e uma visão futurista, este é o Casarão Tech Renato Archer, construção histórica localizado na Rua da Estrela, Centro Histórico de São Luís, que se tornou o coração que bombeia investimento financeiro e de qualificação para o desenvolvimento de uma dezena de startups maranhenses com ideias inovadoras que beneficiem o estado com qualidade de vida e o desenvolvimento econômico do Maranhão.

Prestes a completar 365 dias, no próximo sábado (19), de muita efervescência tecnológica e de grandes ideias, o espaço já abriga mais de 14 empresas em desenvolvimento. De acordo com o gerente do Casarão Tech, Igor Santana, o espaço que é aberto ao público, já produziu mais de 200 eventos entre seminários e oficinas e já recebeu mais de 10 mil visitantes desde que nasceu em janeiro de 2018.

“Nós gostamos de abrir as nossas portas para todos, por isso, produzimos muitos encontros, eventos em geral. Porque o que a gente quer é promover essa conexão, então todos os nossos números incluem pessoas do ecossistema tecnológico, transeuntes e interessados em inovação e tecnologia”, destaca o gerente do casarão.

Ainda com Santana, “O Casarão Tech foi um desafio, o primeiro Hub de inovação do estado, mas, também, foi muito interessante porque nós fomos muito bem acolhidos pelo ecossistema local”. O projeto de inovação e concentração de empresas do estado, tem inspiração em projetos como o Google For Startups, Cubo Itaú, e o Porto Digital, em Pernambuco.

Ao longo dos meses a equipe que fica à frente do projeto tem trabalhado para sensibilizar a sociedade e os cidadãos para a importância do amparo a pesquisas e investimento em ações que beneficiem os maranhenses, além do consumo dessas produções.

Para participar do processo de aceleração e incubação, as startups, empresas com custos de manutenção muito baixos, mas que consegue crescer rapidamente e gerar lucros cada vez maiores, precisam participar de editais públicos disponibilizados pela instituição.

O casarão histórico tem espaço para receber 67 startups em seus cômodos, mas é um espaço aberto para quem precisa receber e trocar conhecimento sobre o mercado e formas de angariar investimentos para seus projetos ou tirá-lo do papel.

“As startups concluem o processo de aceleração, mas o casarão continua aberto para eles da mesma forma que no início”, conclui, Igor Santana, gerente da instituição.

Assista abaixo à entrevista com o gerente do Casarão Tech, Igor Santana: