Iniciativa privada injeta R$ 10 bi no Maranhão nos próximos anos

Porto de São Luís (Da esq. para dir.): O presidente da CCCC para as Américas Chang Yungo, o vice-governador Carlos Brandão, o presidente da Fiema Edilson Baldez e a cônsul-geral da China Yan Yuqing selam acordo que movimentará cerca de R$ 2 bilhões no Maranhão nos próximos anos.

As perspectivas para o Maranhão começam em alta no ano de 2019. E, pelos investimentos planejados para os próximos anos, continua assim nos períodos seguintes.

A foto que ilustra esta matéria é um exemplo real da positividade das forças empresariais e governamentais. Ela foi tirada durante a visita às obras do Porto São Luís, um investimento bilionário da CCCC (China Communications
Construction Company), com apoio do governo da China e do governo estadual do Maranhão.

Mas o Porto São Luís é somente 20% do total de investimentos programados para os próximos anos na região. De acordo com o Instituto Maranhense de Estudos Socioeconômicos e Cartográficos (Imesc), o Maranhão tem atualmente R$ 10 bilhões em investimentos privados em andamento ou projetados.

Destes, R$ 4,4 bilhões estão em andamento. São projetados mais R$ 5,6 bilhões. Os recursos privados correspondem a 65,8% do total de investimentos em andamento e a serem aplicados na região.

Os valores estão distribuídos principalmente no setor portuário, elétrico e da indústria de transformação. Essa conta não inclui os projetos que já foram concluídos.

Veja abaixo os principais empreendimentos da região:

BrasilAgro –Uma das maiores empresas brasileiras no desenvolvimento de terras agrícolas, anunciou que vai investir R$ 1,4 bilhão nos próximos anos no Maranhão. O novo empreendimento tem capacidade de gerar 3 mil empregos diretos. O investimento será realizado em parceria com a empresa AgroSerra, na Fazenda São José, no município de São Raimundo das Mangabeiras. Serão produzidos grãos e etanol.

Eneva – Investimentos previstos de R$ 1,3 bilhão na ampliação da geração de energia, com 2 mil empregos diretos.

Ômega Energia – Construiu o Parque Eólico de Paulino Neves e já está com obras de expansão. Os investimentos são de R$ 1,5 bilhão.

Porto do Itaqui – O complexo portuário tem receita estimada até 2022 de pelo menos R$ 1,4 bilhão.

Porto São Luís – O investimento beira os R$ 2 bilhões. A previsão é de geração de 5 mil empregos diretos e indiretos. O empreendimento está em andamento e é fruto da colaboração entre o Governo do Maranhão e China Communications Construction Company (CCCC). As obras estão na fase de terraplanagem, supressão vegetal e condução de detalhes geográficos. O prazo máximo de entrega é fevereiro de 2022. O terminal privado de multicargas vai escoar milhões de toneladas de grãos e minério de ferro.

Raízen – No ramo de tancagem, a empresa investe R$ 200 milhões na construção de um terminal para armazenamento de combustíveis.

Suzano – Com os investimentos de R$ 500 milhões da Suzano Papel e Celulose, foram gerados aproximados 1,3 mil novos empregos diretos e indiretos no Maranhão na construção e no funcionamento de uma nova fábrica de papel, em Imperatriz, na região tocantina. A empresa prevê investimentos de R$ 300 milhões no estado, por meio do Porto do Itaqui, para aumentar sua participação, produção e, consequentemente, a geração de empregos.

Vale – A companhia retomou a operação da usina de pelotização na área Itaqui-Bacanga. A usina estava parada havia anos. São aplicados mais de R$ 100 milhões, que geraram 370 postos de trabalho.