Itaqui terá o mais moderno terminal de fertilizante da América Latina

A nova estrutura terá interligação do armazém ao berço 101 do Itaqui por meio de uma correia transportadora

Porto do Itaqui (Foto: Divulgação)

A Companhia Operadora Portuária (Copi) prorrogou o contrato de arrendamento com a Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap) por mais 20 anos e vai investir R$ 80 milhões na construção de um terminal de fertilizante. O aditivo prevê a construção de um novo armazém com capacidade para 80 mil toneladas e possibilitará movimentação de até 3,5 milhões de toneladas de fertilizantes por ano.

A nova estrutura será a mais moderna do país para esse tipo de operação, com interligação do armazém ao berço 101 do Itaqui por meio de uma correia transportadora, dentre outros equipamentos. O contrato de arrendamento da Copi no Itaqui cobre uma área de 16 mil metros quadrados, destinada à movimentação de granéis sólidos e carga geral e o extrato de termo aditivo foi publicado no Diário Oficial da União na última semana.

Ted Lago, presidente da Emap, destacou a importância da cadeia regional integrada como porta de entrada e saída de cargas para o Corredor Brasil Central e também o sucesso do modelo de investimento privado dentro da estrutura pública, que gera emprego, renda e desenvolvimento para o Maranhão. “Esse contrato fortalece o Corredor Centro Norte e o papel do Itaqui nesse cenário, e sinaliza a introdução do modal ferroviário na distribuição de fertilizante para toda a área de influência do porto”, afirmou.

Segundo o presidente da Copi, Carlos Roberto Frisoli, o empreendimento deve estar concluído em dois anos e vai consolidar o Itaqui como o porto de entrada de fertilizante de todo o Arco Norte, incluindo Goiás. Para ele, o porto público maranhense é logisticamente mais ágil e mais competitivo pela localização geográfica (mais próximo do mercado externo) e por sua conexão ferroviária.

Carga de retorno

Com a consolidação do Terminal de Grãos do Maranhão (Tegram) e o volume de cargas oriundas do Terminal de Uso Privativo da VLI, o Porto do Itaqui vem se consolidando como principal porta de saída da produção de grãos (soja e milho) da região Centro-Norte do Brasil, com sucessivos recordes tanto em produtividade quanto em volume de movimentação de cargas.

Neste cenário, a importação de fertilizantes tem ganhado cada vez mais destaque no portfólio de cargas do porto público maranhense. Em 2017 foram movimentadas 1,7 milhões de toneladas de fertilizante e agora está fechando 2018 com quase 2 milhões de toneladas. O investimento no novo terminal garante o atendimento a demandas atuais e futuras da fronteira agrícola do Arco Norte.