São Luís tem futuro?

TAGIL OLIVEIRA RAMOS

Os céticos dirão que não. Os pessimistas, que o vento sopra para o outro lado. Os amargos, que nada diferente vale a pena. Os saudosistas preferirão os velhos tempos. E você, dirá o quê?

Alguns me perguntam por que deixei a locomotiva do Brasil (mais conhecida como cidade de São Paulo) para me instalar num dos últimos vagões do trem chamado Brasil. As razões são muitas e vou tentar explicá-las nos próximos parágrafos.

Depois de ter liderado equipes em empresas com UOL, Grupo O Estado de S.Paulo, Avaya Communication e Banco Santander (e várias consultorias para empresas de todos os portes), cheguei a São Luís no começo deste ano para passar umas férias.

Filho pródigo, eu voltava à casa. Vim para passar alguns dias, mas os encantos da Ilha, suas belezas, praias, morenas, mulatas, amizades, festejos e sóis (no começo e fim do dia) fizeram me apaixonar novamente por esta que foi meu primeiro amor na adolescência.

Como diz um amigo, o “visgo do cupuaçu com leite” me pegou. Como na música “Ilha Magnética”, do compositor César Nascimento, passei a acreditar novamente que “o amor nasceu aqui”. Mas não foi por isso que reneguei a rica e presunçosa Sampa.

TERRA DE OPORTUNIDADES

Outra razão me faz apostar na ilha. Como consultor de negócios e mestre em Gestão Empresarial pela FIA-USP, percebi que São Luís é campo fértil e inexplorado de negócios. Paradoxalmente, por causa da escassez do Maranhão em algumas áreas, há oportunidades potenciais de negócio justamente nesses segmentos. Onde tem demanda há possibilidade de ganhar dinheiro.

A terra maranhense é rica e dadivosa. Apenas tem sido muito mal administrada ao longo de décadas. Mas essa faceta trágica da história está mudando. Veja se tenho razão ou não.

No começo deste mês, estive com a simpática cônsul chinesa Yan Yuqing e com Chang Yunbo, o visionário presidente da CCCC (China Communication Construction Company), numa visita às obras do Porto de São Luís, um empreendimento que vai injetar cerca de R$ 2 bilhões no Maranhão.

Minha pergunta para você que me lê agora é a seguinte: “O que os chineses estão vendo aqui que muitos empresários maranhenses não veem?” Respondo: bilionárias oportunidades de negócio.

Temos muitas riquezas naturais. Temos um litoral ímpar em profundidade e marés que não existem em outra região do mundo. Temos grãos, carne, babaçu, soja e juçara (com o respeito aos paraenses, que a chamam erroneamente de açaí). Ah! – e temos logística para entregar tudo isso.

DICAS PRECIOSAS PARA 2019

Ignoro sua resposta, leitor ou leitora, para o título dese post. Quando era editor no Grupo Exame, na Editora Abril, criei algumas capas com interrogativas. Mas o comum do jornalismo é dar frases afirmativas, geralmente no presente. Não é o caso. Quando falamos de futuro, precisamos ter outra postura.

INFORMAÇÕES PARA O EMPREENDEDOR

Você saberá em primeira mão a respeito do Movimento São Luís do Futuro, uma iniciativa conjunta da sociedade civil, comunidades, iniciativa privada, universidades e governos (municipal e estadual) para criar, instalar e desenvolver um ambiente de negócios moderno e digital na Grande São Luís. Você tem ideias e quer participar? Entre em contato.

Bem, agora você agora já sabe por que eu troquei a esfumaçada Sampa pela paradisíaca São Luís. Não foi pela fumaça de lá nem pelas praias daqui. Vejo na região grandes oportunidades de negócio e desenvolvimento. Estou apostando todas minhas fichas no futuro de São Luís e do Maranhão. E você?