Ceia de Natal salgada

Governo abocanha mais de 29% em tributos sobre produtos de Natal

Faltando menos de duas semanas para o Natal, os consumidores ainda estão na correria para as compras do período natalino. Nesse corre corre, acabam sucumbindo aos altos preços dos produtos. Nessa hora quem se dá bem é o governo, que abocanha 29% em tributos presente nos preços finais dos itens típicos dessa época.
Segundo levantamento da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), encomendado ao Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT). “De forma geral, a carga tributária é alta em todos os itens da lista, pois a mínima está acima dos 29%, de tender, frios e peru. O mais tributado é o vinho importado, com 69,73%, porque há uma taxação maior devido à incidência do imposto de importação? Há também o impacto da alta do dólar”, analisa Alencar Burti, presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp).
Espumantes (59,49%), cervejas (55,60%) e vinhos nacional (54,73%) também estão no topo dos produtos com alta taxa tributaria.

Produtos como azeitonas (36,5%); castanhas, frutas cristalizadas e nozes (36,45%); panetone (34,63%); peru, frios e tender (29,32%), estão com as menores taxas. De acordo com Burti, esses “alimentos não têm incidência do IPI, ao contrário das bebidas”, aponta o especialista.