Projeto de Robótica maranhense ganha 1° lugar em concurso

Os estudantes do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IEMA), que venceram a etapa regional da Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR), participaram da final nacional da competição em João Pessoa, na Paraíba.

As equipes “Iema SLZ 02” e “Robotronic” foram medalhistas de ouro na etapa regional e se classificaram no nível 2 da etapa final, os alunos são das unidades plenas do Iema em Coroatá e São Luís. Outra instituição representando o Maranhão na etapa nacional da OBR é a escola Sesi, os jovens da equipe ‘Robotic’s Angels’ estão competindo no nível 1.

A vitória dos alunos mostra o potencial da mão-de-obra especializada que está sendo preparada para o mercado de trabalho futuro. A robótica é uma tendência do ambiente digital moderno, pautado por aplicações voltadas para a internet das coisa (IoT – Internet of Things).

A OBR acontece desde 2006 e tem por objetivo estimular os jovens do ensino fundamental, médio ou técnico para a carreira científico-tecnológica, identifica talentos e promove debates e atualizações no processo de ensino-aprendizagem brasileiro.

A competição tem a modalidade única de Resgate de Vítimas, os níveis são diferentes. O robô durante a prova deve ser ágil para superar terrenos irregulares, transpor caminhos desconhecidos, desviar de escombros e subir montanhas para conseguir salvar as vítimas de uma simulação de desastre, transportando-as para uma região segura onde poderão ser atendidas.

De acordo com o professor de física da UP São Luís Cleriston Araújo, que está acompanhado os alunos do Instituto na olimpíada, a etapa nacional da OBR é realizada em conjunto com outros eventos nacionais de robótica, como a Competição Brasileira de Robótica (CBR) e renomados congressos e simpósios nas áreas de robótica e inteligência artificial realizados pelas sociedades científicas que apoiam a OBR.

IEMA

O IEMA foi criado no dia 2 de Janeiro de 2015 com o intuito de ampliar a oferta de educação profissional técnica de nível médio no estado. A proposta é implantar o Instituto em 48 municípios até 2018, oferecendo à sociedade infraestrutura, equipamentos e pessoal para o desenvolvimento de cursos técnicos integrados ao ensino médio, respeitando as necessidades locais e as prioridades estratégicas do Maranhão.