Brasil avança em ranking sobre facilidade de fazer negócios

País é o que mais faz reformas na América Latina e supera Argentina

O Brasil foi um dos destaques do “Doing Business 2019”, relatório publicado nesta quarta-feira (31) sobre ambiente de negócios em todo o mundo, avançando 16 posições e agora ocupa a colocação 109 no ranking geral do Banco Mundial que classifica 190 países de acordo com a facilidade de fazer negócios.

Neste ano, o Brasil aparece no relatório, pela primeira vez, à frente da Argentina, que está dez posições piores que o Brasil (119ª), mas ainda atrás de outros grandes emergentes, como Rússia (31ª posição), China (46ª), Índia (77ª) e África do Sul (82ª). O ranking é novamente liderado pela Nova Zelândia, seguido de Cingapura, Dinamarca, Hong Kong, Coreia do Sul, Geórgia, Noruega, Estados Unidos, Reino Unido e Macedônia.

O relatório traz análises quantitativas de leis e regulações que dificultam ou facilitam as atividades de empresas nas economias e classifica os países em diversos tópicos, entre eles a facilidade de abertura de empresas, pagamento de impostos, obtenção de crédito e comércio internacional.

Os melhores desempenhos do Brasil foram nos critérios “obtendo eletricidade”, em que o país ficou em 40º lugar; “proteção dos investidores prioritários” em 48º; “execução de contratos”, também em 48°; e “resolução de insolvência”, em 77º. No critério relativo ao comércio exterior, o Brasil avançou 33 posições desde o último relatório e agora ocupa a posição 106 do ranking.

“O Brasil foi a economia que implementou mais melhorias, com quatro reformas registradas. Grande parte das reformas na região se focou no aperfeiçoamento dos direitos legais de mutuários e mutuantes no que diz respeito a transações com garantia e no processo de abertura de empresas”, informou o Banco Mundial.