Tiquira: a aguardente ancestral do Maranhão começa a vencer prêmios no exterior

A tiquira é uma das aguardentes mais antigas do Brasil e teve o seu consumo restrito às fronteiras maranhenses por muito tempo, e agora começa a ganhar o mundo

O destilado de mandioca foi inventado pelos índios tupis (Foto: Reprodução)

A tiquira é um destilado à base de mandioca e foi descoberta pelos índios brasileiros que a preparavam para celebrar rituais, a produção é toda artesanal e sobrevivia em poucas cidades do Maranhão. No entanto, a bebida vem ganhando estudos em universidades federais, como a do Maranhão e a Universidade de Brasília, prêmios internacionais e espaço em bares e restaurantes renomados de São Paulo e do Rio de Janeiro.

A tiquira é preparada com a adição de folhas de tangerina, o que a deixa com um colorido roxo-azulado e seu teor alcóolico é bastante alto, chegando a variar entre 36 e 54 graus. Com a Guaaja, a segunda marca a chegar no mercado, lançada em 2015, a bebida começa a ganhar destaque fora do Brasil com apostas em concursos internacionais.

Em setembro deste ano, a marca conquistou medalhas em duas das mais importantes premiações de bebidas destiladas do mundo. No Asia International Spirits Competition, em Hong Kong, foram quatro: uma de ouro, uma de prata e uma de bronze, além da de melhor destilaria. Na edição búlgara do Spirits Selection by Concours Mondial de Bruxelles, evento que é itinerante, ficou com a prata na categoria Spirits.

O aumento da produção da bebida, entretanto, ainda enfrenta barreiras para se expandir, principalmente no Maranhão, uma delas é a logística. A distância de grandes mercados fornecedores de matérias-primas e consumidores de bebidas, como São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, encarece o processo de fabricação.

A vantagem da tiquira, no entanto, é que pode ser produzida, com poucas adaptações. Mesmo com o problema logístico, os proprietários da Guaaja continuam a produzir no Maranhão, o motivo segundo eles, é manter a bebida no local de origem. Agora iniciarão a busca pela certificação de produto orgânico, o que será mais uma característica com forte apelo em mercados internacionais.