Poupança tem melhor captação líquida em setembro, de R$ 8,5 bi

Aplicação voltou a atrair recursos mesmo com juros baixos, pois rendimento tem sido um pouco acima da inflação

A poupança está sendo considerado um bom investimento porque pode trazer mais rentabilidade se comparada a alguns fundos, que cobram taxas de administração e imposto (Foto: Reprodução)

A caderneta de poupança fechou setembro com captação líquida de R$ 8,541 bilhões, segundo o Banco Central (BC). O valor reflete o montante de recursos que os brasileiros depositaram na caderneta, já descontados os saques no período.

Foi o sétimo mês consecutivo de captação líquida na poupança e o melhor resultado para setembro da série histórica, iniciada em 1995. No mês passado, conforme o BC, os aportes na caderneta somaram R$ 182,870 bilhões, enquanto os saques atingiram R$ 174,328 bilhões.

Apenas no último dia útil do mês (28), a captação líquida foi de R$ 3,607 bilhões. Considerando os rendimentos de R$ 2,825 bilhões em setembro, o total de recursos depositados na poupança chega hoje a R$ 775,774 bilhões.

No acumulado do ano até setembro a captação da poupança está positiva em R$ 25,501 bilhões. Isso é resultado de aportes de R$ 1,641 trilhão e retiradas de R$ 1,615 trilhão. Atualmente, a remuneração da caderneta de poupança é formada pela taxa referencial (TR) mais 70% da Selic (a taxa básica de juros).

A Selic, por sua vez, está hoje em 6,50% ao ano. Esta regra de remuneração vale sempre que a taxa básica estiver abaixo dos 8,50% ao ano. Quando estiver acima disso, a poupança será atualizada pela TR mais uma taxa fixa de 0,5% ao mês (6,17% ao ano).