Pesquisa aponta crescimento na intenção de compra para o Dia das Crianças em São Luís

Levantamento afirma que 62,7% dos ludovicenses pretendem comprar algum produto para presentear no Dia das Crianças

A pesquisa demonstrou ainda que a intenção de consumo se apresenta mais favorável entre o público feminino (Foto: Reprodução)

O levantamento de intenção de consumo para o Dia das Crianças, realizado pela Federação do Comércio de Bens Serviços e Turismo do Estado do Maranhão, demonstrou que 62,7% dos ludovicenses pretendem comprar algum produto para presentear em função da data, o que representa um aumento de 12,8% em relação ao mesmo período do ano passado. A intenção de comemorar a data alcançou 48,1% dos entrevistados, indicando um crescimento de 12,4% em relação a 2017.

De acordo com a Federação do Comércio do Maranhão, a aceleração de consumo se dá em função da gradual recuperação do mercado de trabalho que tem contribuído fortemente para o restabelecimento da renda das famílias e para o aumento do nível de intenção de consumo nesse momento. De modo geral, o mercado de trabalho gerou um saldo de 3.821 novos postos de trabalho na economia de São Luís e 8.126 vagas em todo o estado no período de janeiro a julho deste ano.

Segundo o presidente da Fecomércio do Maranhão, José Arteiro da Silva, a recuperação gradativa do mercado de trabalho cria uma base sólida para o desenvolvimento comercial neste segundo semestre, o que tem contribuído para o restabelecimento da renda das famílias e para o aumento do nível de intenção de consumo. No entanto, a economia deverá continuar reagindo de maneira lenta em busca de uma posição confortável para retomar o efetivo crescimento, possivelmente, a partir de 2019.

De modo geral, a pesquisa revelou dados positivos que vão desde o aumento na intenção de gastos no período, até a volta expressiva da preferência de comprar presentes na Rua Grande, considerada o principal polo de comércio de São Luís. O levantamento demonstrou ainda, que a intenção de consumo se apresenta mais favorável entre o público feminino (68,3%), consumidores com idade de 21 a 35 anos (67,9%), com ensino médio (59,1%) e renda familiar mensal de três a seis salários mínimos (71,1%).