Silvicultura e extração vegetal chega a R$ 19,1 bilhões

Na extração vegetal, o grupo dos produtos madeireiros representou 64,1% do valor de produção

Os valores da produção da silvicultura e da extração vegetal somaram R$ 19,1 bilhões em 2017, registrando um crescimento – o segundo consecutivo – de 3,4% em relação a 2016.

A silvicultura – obtida em florestas plantadas – contribuiu com 77,3% desse total, representando um aumento de 5,0% no valor de produção na comparação com 2016. A extração vegetal – que consiste na coleta de produtos em matas e florestas nativas – teve participação de 22,7%, sofrendo uma queda de 1,9% na comparação com o ano anterior.

Na silvicultura, a produção de madeira para a indústria de papel e celulose foi o grupo que gerou o maior valor de produção em 2017 reunindo o montante de R$ 5,1 bilhões. As regiões Sul e o Sudeste responderam por 62,3% do valor de produção da silvicultura, predominando no setor de florestas plantadas.

Na extração vegetal, o grupo dos produtos madeireiros representou 64,1% do valor de produção e recuou 2,7% no ano. A madeira em tora alcançou o maior valor de produção (R$ 1,9 bilhão) entre os produtos madeireiros.

O açaí foi destaque entre os produtos extrativos não-madeireiros, com alta de 10,5% no seu valor de produção, em relação a 2016. O valor de produção da extração de erva-mate nativa também cresceu (6,4%) frente ao ano anterior. Já a quantidade de castanha-do- pará produzida sofreu queda (-24,4%).

As informações são da Pesquisa da Produção da Extração Vegetal e da Silvicultura (Pevs) 2017, que investiga 37 produtos do extrativismo vegetal e sete da silvicultura de todos os municípios brasileiros.

A pesquisa traz informações sobre a produção, a variação e a distribuição espacial de produtos madeireiros e não madeireiros, assim como a participação da extração vegetal e da silvicultura no valor da exploração vegetal.

O maior incremento no valor de produção foi observado no grupo de madeira para outras finalidades (produção destinada à construção naval, indústria moveleira, construção civil, pisos laminados, postes e mourões, entre outros) que apresentou crescimento de 16,6% no ano, atingindo R$ 4,5 bilhões.

O setor de madeira para fins energéticos, responsável pela produção de carvão vegetal e lenha, recuperou o valor de produção após dois anos de queda.

O volume de carvão vegetal produzido em 2017, ainda que 0,8% inferior ao atingido no ano anterior, registrou crescimento de 4,2% no seu valor de produção, alcançando R$ 2,6 bilhões. Já a produção de lenha cresceu 4,1%, assim como o seu valor de produção (1,8%).

Com informações da Ag. Br


Anúncio: 407 anos São Luís