Geração de emprego no MA sofre queda

Estado teve 66 postos de trabalho desativados.

Na contramão da geração de empregos do país, o Maranhão teve desempenho negativo na geração de empregos no mês de agosto.Os números são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados nesta sexta-feira (21) pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

No mês de agosto, as admissões somaram 12.155, mas as demissões, 12.155, o que gerou um saldo negativo de 66 postos de trabalho desativados. Em todo o país, houve acréscimo de aproximadamente 568 mil vagas até o mês passado. Já na série histórica desde setembro do ano passado, o saldo positivo é de 357 mil postos de trabalho.

No estado do Maranhão, o setor industrial foi o que mais contribuiu para esse desempenho negativo, com um saldo de -972, enquanto “Serviços” teve o melhor resultado, com 393 postos de trabalho preservados.

Apesar do desempenho negativo de agosto, no acumulado do ano, o Maranhão tem um saldo positivo de 9.157, resultado de 103.675 admissões e 94.518 demissões. O acumulado dos 12 últimos meses é de 8.939, devido às 152.315 contratações e os 143.376 desligamentos.

Entre 2010 e 2014, o Brasil apresentou desempenho positivo nos dados do Caged, apresentando grandes quedas em 2015 e 2016. Em 2017 o saldo também foi negativo, mas menor, com 123 mil postos de trabalho fechados.

Este ano, com um saldo de meio milhão de novos empregos, o país registra bons resultados em praticamente todos os setores de atividade econômica, como indústria de transformação, serviços e agricultura. A exceção é o setor de comércio, impulsionado pelas demissões no comércio varejista.

Com informações da Ag. Br